terça-feira, 15 de agosto de 2017

Kamen Rider Ex-Aid: Sobre não julgar um livro pela capa!


O Elenco principal de Ex-Aid


Lembro como se fosse hoje do alvoroço que foi a divulgação das primeiras imagens do Kamen Rider Ex-Aid. Havia muita discussão, aversão e controvérsia em relação ao visual e sinopse da série. Os mais puristas, declamaram  jargões clássicos como "na minha época os Riders não eram assim" ou "os Riders de hoje em dia são muito infantilizados", e mesmo os fãs mais acostumados aos visuais das séries atuais da franquia, torceram o nariz para o visual e tiveram certo medo da série não fazer jus ao histórico da franquia e não corresponder as aspirações dos fãs. Mas novamente, os roteiristas da tia Toei nos surpreenderam. A série acertou na mosca e acabou sendo o inverso de todas as predições negativas, sendo uma aventura fantástica e cheia de reviravoltas, e óbvio, calando (pelo menos metaforicamente) muitos que odiaram por odiar, sem nunca dar uma chance ao seriado. O que eu observo no meio tokusatsu da internet brasileira, é que a galera muitas vezes se preocupa mais em odiar a série pelo visual ou mesmo pela época em que ela foi feita do que realmente assisti-la e então tirar conclusões. A clássica mania que nós seres humanos temos e que dá título a essa postagem: julgar um livro pela capa! Por causa disso, sinto que se fazem necessárias algumas breves ponderações sobre Ex-Aid e sobre esse tema, Ainda mais agora nas vésperas de nos despedirmos de Emu e a turma dos médicos do CR. Então, sem mais delongas, vamos lá. 

Essa turma vai deixar saudades...



O primeiro ponto a considerar, e que  permeia muito o meio tokusatsu brasileiro é o saudosismo. O publico das séries japonesas no Brasil parece muito preso ao saudosismo do passado. E eu particularmente não acho que seja tão ruim. Tivemos uma história linda com os tokusatsus aqui no país lá pelas idas dos anos 80 e 90, e os fãs tem todo direito de relembrar aquelas séries com carinho e o respeito que elas de fato merecem. Mas mesmo esse sentimento de nostalgia tem limites. O que se vê pela tokunet brasileira é muita gente colocando essas séries de 20, 30 anos atrás como padrão e se esquecendo que o tempo passa, e os padrões mudam. Esquecem que o público hoje não é o mesmo que assistia Kamen Rider Black em 1987, nem a sociedade é a mesma. Esquecem que as produtoras não tem os antigos telespectadores da rede Manchete de televisão do Brasil como público alvo, nem tem planos de continuar ou reviver muitas dessas séries clássicas. Resumindo: a manchete não é mais o padrão a ser seguido pra se produzir séries novas. Nada contra quem curte aquele modelo de tokusatsu, ou goste mais dele do que das séries atuais. Mas convenhamos: Os tempos mudaram, e os Riders também, e NADA do que dissermos vai alterar isso. Então, não é saudável ou inteligente julgar uma série nova porque não se encaixa nesse perfil. 

Ex-aid tem muito mais a mostrar que apenas visual!

"Mas naquela época os Riders eram mais machões, eram isso e aquilo e.." Típico de quem nunca deu uma chance de assistir as séries novas. Todas as séries da franquia tem como característica principal boas e intensas batalhas, e mesmo que os heróis tenham mudado de perfil, o heroísmo e a bravura que definia o herói do passado também esta presente aqui. Aliás, muito mais crível e bem desenvolvido que em várias séries do passado. Afinal, querendo ou não, as séries podem se aproveitar daquilo que deu certo no passado ou mesmo evitar os erros antigos, trazendo assim uma evolução/progressão em relação aos clássicos. Ou ainda apresentar elementos novos, mais elaborados, com a tecnologia mais avançada da nossa época ou novos elementos narrativos, ainda mais criativos e bem feitos das séries do passado. "Ah mas o visual.." séries antigas também tem visuais espalhafatosos e bem diferentes, vide Kamen Rider Amazon de 1974, por exemplo. 

Os bons atores da série deram ainda mais alma aos heróis! 


Mas agora focando especificamente em Ex-Aid, Aqui temos mais uma demonstração cabal de que nunca se deve julgar um livro pela capa! Logo que os visuais da série saíram, eu mesmo senti uma certa estranheza pela aparência dos personagens, mas ainda assim, o visual adotado pela série era bem justificável tendo em vista a temática principal da história: video-games. Também temos que entender que a empresa que produz a série tem objetivos mercadológicos, e portanto, o visual também vai fazer parte disso. Afinal, temos de ter a maturidade e entender que a venda de produtos licenciados é importante pra empresa arrecadar capital e continuar produzindo as séries que tanto amamos. Mas mesmo com o estranho visual a primeira vista, Ex-aid nos ofereceu tudo que os fãs autênticos de Kamen Rider esperavam. 

 Emu Hojo foi um dos que personagens que  mais evoluiu em Ex-Aid!

Em 3 episódios para seu término (na época que estou escrevendo essa postagem) concluo que a série nos brindou com mais, muitos mais do que visuais espalhafatosos e onomatopeias chamativas, que seus críticos costumam usar para acusar a série de baixa qualidade. Ex-Aid é muito mais que isso! tem combates ferozes, efeitos especiais razoáveis, um elenco simpático e personagens cheios de personalidade, que se desenvolvem com o passar do tempo, ganhando brilho próprio e maturidade. Boas e bem dosadas partes de humor, drama acentuado e adulto, e um enredo bem encaixado que flui sem perder o fio da meada em nenhum de seus episódios. Praticamente tudo que se espera de uma aventura de incontestável qualidade!  Ouso dizer que é a melhor série Kamen Rider desde o surpreendente Kamen Rider Gaim!

Ex-Aid: ação pra hater nenhum botar defeito!


Ex-Aid chuta pra longe os clichês de "monstro da semana" e apresenta uma trama novelística, que cresce aos poucos e desenvolve os personagens, que evoluem como pessoas e tem de lidar com situações complexas, fazendo escolhas difíceis e claro, lidando com as consequências delas. Temos o time de médicos do CR, cada um com uma personalidade diferente e diferentes visões de mundo, tendo que se unir e arriscar suas vidas por um objetivo em comum. Conforme se passam os episódios, mais e mais momentos intensos surgem, e a trama se torna um emaranhado de situações tão bem colocado que é difícil prever o que irá acontecer depois. Fora os vilões inteligentes, articulados e manipuladores, que dão ainda mais trabalho pro time de heróis! Ainda sobre o crescimento dos personagens, vemos o ingênuo protagonista Emu Hojo, que de um jovem idealista se torna um herói maduro e capaz dos mais duros sacrifícios pessoais em prol daquilo que considera certo, capaz de intimidar os seus adversários com sua força, mas sem abrir mão dos seus valores de integridade, justiça e dedicação aos seus pacientes. Muitos dilemas morais são colocados em confronto no decorrer dos episódios, e questões importantes sobre o valor da vida e até onde você iria pra alcançar seus objetivos são apresentadas de forma muito magistral, e que merece sim levar o crédito como uma das mais bem desenvolvidas e viciantes histórias da nossa querida empresa da pedreira Toei Company. 

Ex-Aid é a prova que nem só de visual se faz uma bom tokusatsu!


Nossa sociedade imediatista costuma sempre colocar as aparências na frente do todo, e por isso, nossa análise costuma ser viciada por aquilo que as coisas parecem que são, mas não pelo que elas realmente são. Antes de julgar toda a série de Ex-Aid unicamente pelo visual colorido e espalhafatoso, deve-se antes buscar analisar todos os outros elementos da série. Em especial, os fatos que se passam após o décimo primeiro episódio, que é quando a série realmente ultrapassa os episódios introdutórios e começa de fato a se desenvolver. Fora que, não é de hoje que séries com visual estranho tem dado um verdadeiro "tapa de luva" nos haters como por exemplo Fourze, W, Gaim, Etc. Claro, gosto é algo pessoal quando se trata de entretenimento, mas a atitude mais inteligente é sempre procurar conhecer algo antes de julgar aquilo meramente por um detalhe tão raso como visual. Afinal, Ex-Aid tem muito mais o que oferecer do que meramente uma aparência, e promete chocar e divertir qualquer um que tiver a mente aberta pra conhecer e não meramente xingar sem argumentos essa ótima série!

Vilões manipuladores e articulados também acrescentam valor a história!


Do tempo que estou escrevendo pra vocês esse post, ainda não tive acesso ao final da série, já que ainda faltam 2 capítulos pro fechamento dessa bela saga, mas por todos os episódios e momentos de alegria e emoção que Ex-Aid me rendeu, já recomendo e garanto que será uma jornada satisfatória. Independente do perfil de série que você goste, não irá se arrepender de assistir. Pros mais saudosistas, convido a assistir a série e muitas outras também produzidas na atualidade, tão boas quantos os tokusatsus do passado. Tenho certeza que aqueles que derem essa chance a série, irão se surpreender e se divertir com novas fórmulas, novos heróis, novos elementos. Pra aqueles que não se identificaram com o visual, saibam que como falei antes, a série vai muito além disso, mostrando outros elementos que podem fazer essa questão visual sequer importar no fim das contas.

Boas reviravoltas enriquecem a série!


Com o final evidente de Ex-Aid, outra série Rider já está prestes a fazer sua estreia, dessa vez com um visual mais limpo e menos extravagante, mas já com uma sinopse interessante, e que já carrega boas expectativas desse fã que vos fala. E claro, irei assistir a série primeiro e depois tirarei minhas conclusões finais. Resumindo, vamos dar uma chance a diversão e conhecer melhor as séries. Não julguemos nunca um livro pela capa! E vocês? já assistiram Ex-Aid? gostaram? Quais são suas expectativas pros dois últimos episódios da série? Comentem ai! Um Abraço! 

Ex-Aid já tem um espaço reservado no coração dos fãs!




2 comentários:

  1. foi sensacional esse resenha de ex aid parabens pelo blog. rs

    ResponderExcluir