segunda-feira, 1 de junho de 2015

Kousoku Sentai Turboranger: um sentai muito intenso.


Bem, chegou a hora de falar de um dos sentais mais intensos que já assisti: Kousoku Sentai Turboranger, ou Esquadrão de Alta Velocidade Turboranger, de 25 de fevereiro de 1989 à 3 de março de 1990, logo após Liveman. Vou confessar: sempre ouvi e li falar bem sobre este sentai, mas só vendo para crer como as coisas são.

Um breve resumo (Wikipédia):

A 20 mil anos atrás, corajosos guerreiros lutaram contra o maligno Império Bohma, que foi derrotado e aprisionado. Porém, devido a corrupção dos tempos atuais, o Império Bohma consegue escapar de seu aprisionamento. Junto com o Doutor Dazai, Selon, a última das Fadas, reuniu cinco estudantes do ginásio para se tornarem os Turborangers e lutar contra Bohma. 
Apesar do plot sobre uma fada, a série não tem nada sobre encantamento. Turboranger é bastante centrado na corrupção da Terra pela humanidade (um pouco sobre poluição), e como ela fez com que o Império Bohma ressurgisse. O Bohma é composto por um rei e seus generais. Até aí, nada fora do normal. O interessante em Turboranger é a intensidade dos episódios; muita correria dos heróis e pouco tempo para suas vidas pessoais. Cada general parece ter uma razão bem particular para odiar os Turbo e disputam o posto de preferido e mais poderosos do Império Bohma.

Zulten, Princesa Zahmin, Rei Ragon, Dr. Layda e Zimba.

Zulten: o "bobo da corte" do Bohma e seu principal emissário. Agrega pouco, é bem fraco e tolo. Sua função é mais divertir quem assiste do que qualquer outra coisa.

Princesa Zahmin: forte e orgulhosa, Zahmin tem um segredo e uma face oculta. Boa vilã.

Ragon: Não o julguem pela aparência. Só direi isso.

Dr. Layda: o mais inteligente dos generais. Me lembra até um historiador. Poderia ter sido mais explorado.

Zimba: o passado dele chegou a me despertar um sentimento de piedade. Ele sofreu muito antes de entrar para o Bohma. Dos vilões iniciais, o mais forte.

Os primeiros 25 episódios de Turboranger são muito intensos, depois a série meio que se assenta. Não perde qualidade, mas quem assiste fica tão acostumado com o ritmo que acaba se deixando levar. A reta final é fantástica e o final é dos mais simples e bonitos que já pude assistir. Me senti feliz por como tudo acabou. Uma coisa legal é que, em várias ocasiões, os heróis ficam sem os poderes e precisam resolver as coisas sozinhos, usando apenas a tenacidade como arma. 

Dr. Dazai, Haruna, Youhei, Riki, Daichi e Shunsuke.

Sobre os heróis:

Doutor Dazai, projetor dos equipamentos dos cinco, ele funciona como conselheiro, boa parte das vezes. Não é contado nada sobre sua origem.

Fada Sealon, a última fada existente e quem dá o poder dos Turboranger. Boa participação nos episódios.

Misa Yamaguchi, a professora dos garotos. Severa quanto ao futuro deles, já que estão com 18 anos e se formarão em breve, ela sempre pega no pé para que estudem e sejam firmes em seus propósitos. Muita coisa determinante pro andamento da série passa por ela.

Riki Honoo é um dos reds mais fantásticos que já vi. Ele se doa pela equipe de tal forma a ponto de pular na frente dos demais (sem estar transformado) para protegê-los. Riki acredita demais no poder das pessoas e na mudança, norteando muito suas ações nesta linha de raciocínio. A sua participação na reta final é nada menos que épica!

Daichi Yamagata é o Black Turbo. Começa a série com todo o vigor e brilhando absurdamente. Daichi não é tão diferente de Riki. Eles diferem pouca coisa na maneira de ser; talvez Daichi seja um pouco mais focado que ele em algumas coisas. Pena que perdeu espaço depois do meio da série.

Youhei Hama é o mais sentimental da equipe e o que tem mais episódios onde o elemento humano conta mais do que o herói. Um azul excelente e que fazia de tudo pelo próximo, fosse quem fosse.

Shunsuke Hino é o Yellow Turbo. Embora com a tristeza de ter seu irmão mais jovem morto em atropelamento, ele sempre tem um sorriso no rosto. Brilhou muito pouco na série, infelizmente.

Haruna Morikawa é a Pink Turbo. Eu gostaria de ter muito o que falar sobre ela, mas teve poucas aparições relevantes. Haruna era a típica estudante bonita, popular, boa aluna e inteligente. Brilhou pouco, mas um dos episódios finais é dela e... Bem, foi fora de série!

Yamimaru, o guerreiro orgulhoso.

Ainda não acabei! IMPOSSÍVEL NÃO FALAR deste personagem magnífico chamado Yamimaru, ou Hikaru Nagareboshi em sua forma humana. Provavelmente o guerreiro mais orgulhoso que já vi num tokusatsu, Yamimaru protagoniza uma rivalidade pra lá de épica com Red Turbo. Passados sangrentos são uma constante em Turboranger, e o dele não foge da linha.

Yamimaru nutre um ódio patológico pela humanidade e boa parte dos Bohma. Em sua mente, apenas e somente ele tinha o direito de destruir os Turboranger. Sempre se gabando de sua perícia e até ajudando os heróis em parcas ocasiões, ele mostrou toda a fúria ardente de um guerreiro em busca de vingança por seus vinte mil anos de sofrimento. Certamente no meu Top 3 de vilões de tokusatsu.

Kirika, uma guerreira em busca de um lugar na vida.

Se Yamimaru foi um guerreiro orgulhoso e muito amargo pela vida, Kirika foi uma guerreira que buscava um sentido na sua. Antes uma garota comum, ela não conseguia ser notada, passava despercebida por todos, exceto Riki. Ela tinha um certo ressentimento por Haruna ser admirada pelos colegas, o que ela jamais conseguiu. Viu em Yamimaru um caminho para conseguir realizar seus sonhos, ainda que de maneira torpe. Preciso fazer outra confissão: poucas vezes na vida senti pena de um personagem, mas não consegui evitar, no caso dela. Kirika não era má, era uma pária. 



O robô básico dos Turboranger, Turbo Robô, aparece bem durante a série e não apenas dá o golpe final. Tem uma gama interessante de golpes. O que não gostei em Turboranger? Poucas coisas; pequenos pecados aqui e ali, mas a trama só evolui e o tema fadas fica em segundo plano rapidamente. Eu gostaria que Haruna e Shunsuke tivessem brilhado um pouco mais, pois ambos mereciam. Os vilões são bons, o final é dos mais emocionantes, a série é muito bem tramada e os 50 episódios passam muito rapidamente. O "turbo" cai como uma luva para a série. Vale ressaltar que Turboranger trouxe boas inovações, como os soldados rasos terem capitães. A série tem humor equilibrado, drama, ação e mensagem muito boas.

Se vocês gostam de Liveman, certamente gostarão de seu sucessor, Turboranger.

Um comentário: